top of page

UNIVERSO

  • WEE

Eu sempre gostei de processos. Sempre me encantei por acompanhar alguma obra perto de casa dia após dia, vendo os andares aumentarem pouco a pouco; por ver, a cada 3 min, um bolo crescendo no forno; um time-lapse de pôr do sol, que exalta como as cores do céu mudam…


Acho que por gostar tanto de processos, sinto um prazer enorme em fazer parte deles, principalmente. Por isso, queria compartilhar com você como uma joia da WEE é desenvolvida e seus encantos de cada processo.


Bem, muito antes de qualquer esboço de uma peça vem uma grande pesquisa. Esse estudo muitas vezes é norteado por alguma influência que tivemos ou alguma vivência nossa. Eu, que sou nostálgica por natureza, sempre me envolvo muito nessa parte, como que se estivesse vivendo toda aquela lembrança de novo.


prototipo de joias

Com todas essas sensações, emoções e informações internalizadas, começamos a transferir para o papel. Essa fase costumamos fazer separados. Digo separados eu e o Vinícius, para termos visões diferentes. Assim, quando nos juntamos para apresentar esses esboços, temos uma troca muito enriquecedora, com olhares diferentes sobre um mesmo “tema”.


Depois de alinharmos e definirmos os esboços que irão para frente, vamos dizer assim, damos início aos desenhos técnicos. Que basicamente são desenhos bem detalhados e com todas as informações necessárias para a produção da peça no ateliê. Aqui, levamos muito tempo desenhando, ampliando detalhes, buscando por resoluções que funcionem melhor em cada peça, prevendo possíveis questões que possam surgir… Agradeço à arquitetura por ter nos dado essa base tão boa, aliás.


Com esses desenhos prontos, corremos para o ateliê que nem criança quando quer comer logo o brigadeiro da festa sabe? Até porque estamos próximos de ver o que desenvolvemos com tanto afeto!

criação de joias

Quando o protótipo fica pronto então… Eu particularmente não me aguento e queria já sair usando e mostrando para todo mundo. MAS, o protótipo serve para analisarmos a peça como um todo e seus detalhes, por isso acabo usando por dias também. Vemos o peso dela, afinal uma peça muito pesada pode ser algo incômodo; afinamos detalhes e/ou mudamos alguns que no papel estavam legais, mas na peça em si não é tão legal assim; decidimos sobre o acabamento, se será polido, acetinado, fosco, com textura; analisamos se o tipo de cravação que havíamos pensado está funcionando e favorecendo a pedra… Enfim, essa etapa é regada por muita informação técnica também, que envolve tanto a parte do metal, quanto das pedras. É quando todas as “partes” envolvidas na produção da peça se alinham para produzir então a peça final. Claro, que, normalmente, são necessários vários protótipos para finalmente deixarmos a peça da maneira perfeita.



Com o protótipo aprovado em todos os seus mínimos detalhes, começa a fase que chamo de: ansiedade da Talita. Todos que trabalham conosco sabem o quanto eu fico ansiosa! Pior que não é nem uma questão de acharem ruim, é por ser de certa forma engraçado mesmo. Eu realmente não vejo a hora de ver aquela peça que depois de tanto estudo, tantos desenhos, tantas idas e vindas no ateliê, ficar pronta. É como se fosse um sonho se tornando realidade, sabe?


Mas, melhor do que vê-la pronta é acompanhar todo o processo dela, processo esse que me fez escrever esse texto. Ver o metal sendo derretido para misturar a liga, virando chapa, tomando forma, sendo soldado, sendo lixado, vendo suas pequenas partes se juntando e se transformando em um todo, é realmente muito impressionante. É, de fato, uma arte. Nós admiramos muito esse trabalho artesanal tão minucioso dos ourives que trabalham conosco. Quando esse processo vai chegando ao fim, quando a peça vai para polidora e toma seu banho de ródio, uma parte de mim até fica com saudades antecipadas.

produção de joias

Porém, tem aquela outra parte de mim que está radiante e muito feliz com o resultado. E quando a peça é finalizada, começa uma nova etapa: de pensar nas fotos. Mas esse é um outro assunto que conto em uma próxima vez!


E vocês, gostam de acompanhar processos?



Talita


  • WEE

Esses dias tivemos que ajustar nossa rotina por um bem coletivo muito importante.


Nesse momento, estamos bombardeados de informações a cada minuto, estamos apreensivos, ansiosos, com medo, esperançosos e também um pouco perdidos.


Para quem pôde ficar em casa e está com dificuldades para trabalhar (afinal é uma reclusão social e não ferias, certo?), pensei em dividir com vocês como me organizo no meu dia-a-dia, que é home office na grande parte do tempo.


Bem, é muito importante nos sentirmos em um ambiente que estimule nossa concentração/criatividade e foco. Para isso, montei um cantinho “isolado” que me remete ao trabalho. Então, tenho uma mesa organizada com potinho de lápis, caneta, post-it, garrafa de água, caderno etc.. Para quem sempre esteve na empresa, minha sugestão é tentar replicar sua mesa do escritório. Sua mente vai entender quase que imediatamente.


Organize seu dia. Arrume a cama logo que levantar, se arrume e organize de fato suas tarefas e afazeres do dia. Isso inclui almoço e lanchinhos. Assim, você não fica levantando e "zanzando" pela casa.


Eu tenho a sensação que trabalhando em casa, trabalha-se mais. Então, faço pequenas pausas, que ajudam na ansiedade também. Paro uma vez pela manhã e depois de tarde. Deito no chão com olhos fechados e presto atenção na respiração por uns 10/15 minutinhos. Lembre-se de relaxar cada parte do seu corpo. Me ajuda ir pensando em cada partezinha para ir relaxando a mesma.


A dica de organizar seu dia inclui também a hora de parar. É importante “sairmos” do trabalho e “irmos” para casa. Então, desligue o computador num determinado horário pré-estabelecido por você no inicio do dia. Vá para sala, sofá...


Nesse período conturbado, é importante cuidarmos da cabeça também! Precisamos de doses de respiro. É muito valioso estarmos informados da atual situação e colaborarmos com o coletivo, mas não podemos esquecer de nós. Vamos, então, criar junto ao home office, uma rotina de cuidados. Que pode ser desde cozinhar sua comida preferida, fazer máscara no cabelo, ver todo dia um capítulo daquela série atrasada, ler um livro, pintar um quadro ou o que mais te agrade e relaxe.


Talvez tenha sido um texto com informações óbvias, mas espero ter ajudado de alguma forma e ter sido uma pausa nesse momento. Estou com pensamento positivo e esperançosa de que essa situação toda fique bem logo. Estamos todos juntos!



Não paniquem! Fico à disposição para conversar. Não estamos sozinhos, apenas distantes <3



Talita


  • WEE

Depois de três anos criando com a WEE e vendo o quanto crescemos com aprendizado, nos deu vontade de recapitular o que fizemos nesse tempo, que pareceu ter passado rápido demais.


Eu e a Talita, nos conhecemos alunos na faculdade de arquitetura e urbanismo, um universo que sempre nos motivou e agregou grande bagagem de conhecimento. Ainda sim, o interesse em diferentes mundos do design nos apontava para novos caminhos.


A aproximação da joalheria aconteceu quando encontramos um mundo com infinitas possibilidades, rico em detalhes e materiais. Um conjunto que sempre nos encantou muito na arquitetura e que sempre nos uniu também. Seja em compartilhamento de pesquisas, conversas e gostos. A joia então funciona como uma arquitetura em menor escala para nós, sendo uma construção muito próxima de quem a usa. Por isso, o primeiro acervo da WEE foi o “Paulistano”, que nós mesmos produzimos a mão durante nosso aprendizado manual na bancada de joalheria. Uma composição de peças que levavam o uso de materiais comuns na arquitetura, como granitos, para as joias.


Essa nossa vivência com o processo manual foi muito importante. Aquela história de que o papel tudo aceita é bem verdade. E nós éramos formados pelo lápis e papel… Foi na bancada que entendemos os limitadores dos metais e as maravilhas também. Nos sentimos então preparados para desenvolver nosso primeiro acervo permanente.


A então “Geométricos” foi desenvolvida em 2018 com as influencias que trazemos da arquitetura. Estudamos como as formas básicas, com detalhes precisos, podem virar joias sem monotonia e, assim, passamos a aprofundar nossa relação com o objeto e o significado.


Em 2019, trouxemos a “noir” para expressar o que os sentimentos e contrastes de nossas cidades, peças leves e expressivas. Como gostamos, as joias carregam consigo detalhes que permitem surpresas em cada peça, seja pela forme de execução ou pelos  ângulos inusitados.


Nesse mesmo ano, nos desafiamos em um desenho mais fluído com a “Aurora”, inspirados pelas deusas mitológicas que exerciam grande influência na natureza, agricultura e comportamento do homem. Esse acervo cresceu em cima de duas pesquisas, a primeira sobre história e a segunda sobre composições e detalhes da joalheria.


Agora nesse início de ano paramos para pensar em como foi gostoso todo esse processo junto ao carinho e retorno de todos que nos acompanham. É realmente muito importante para nós ver esse sonho crescer cada vez mais! Escolhemos um caminho no qual construímos a cada dia não apenas a WEE, mas nosso auto conhecimento.



Vinícius


bottom of page